1/3

Bloco Sonoro

Performance de ocupação de espaços não convencionais em que, por meio da improvisação em dança e música brasileira, realiza-se uma leitura corporal e sonora do lugar valendo-se da arquitetura, sons e do fluxo cotidiano do ambiente.

 

O grupo Gestos Sonoros convida bailarinos para dançar, o movimento é improvisado a partir da música e da relação com o ambiente. Som e movimento inspiram, expiram e transpiram no espaço. Um bloco harmônico feito de atos e contatos. O acontecimento, a hora imediata, resgata o tempo presente de forma orgânica.

1/6

Cadê o Dono do Sorvete

Intervenção cênica no qual uma situação absurda e bem humorada é o elemento central para se refletir sobre o tempo  em uma grande cidade. Por meio da tão temida frase  “Você pode me ajudar” o público é convidado a resolver tal o conflito absurdo: Perdeu-se um sorvete, é preciso achar seu dono com urgência. “Você sabe quem é o dono desse sorvete? Estou procurando há quatro dias”. Durante o diálogo, a matéria do sorvete se desfaz, como metáfora do tempo e do muito que nos escapa. Uma poesia concreta que surge do diálogo entre a dança, o teatro e a performance, e nos convoca a olhar para  as preciosidades do nosso dia-a-dia. Com: Mumbra Corpo Móvel.

1/3

Um do Outro 

Explorando a sua vivência na dança contemporânea os bailarinos entregam- se ao desafio de construir um personagem, um outro. Surge em cena, através da improvisação, um universo de movimento e também com a música sendo criada e improvisada  em  cena  através  de  um  músico,  leva-se  a  dramaturgia  que  vai gerando forma e conteúdo a sua dança. Com: Free.La.Cia

1/5

Intempéries 

"Intempéries: Ruminações sobre Pertencer" nasceu do debruçamento sobre aquilo que nos pertence e o que não nos pertence: O que é meu? O que é do mundo? Como dar sentido a palavra pertencimento diante de um tempo tão fugaz e efêmero? Trata-se de refletir corpórea e criativamente estas inquietações sobre tudo isso que se liquefaz com facilidade, sobre a angústia desses indivíduos que se chocam todos os dias; sobre corpos que se misturam, transbordam e se cruzam sem se encontrar. A água é o símbolo do que nos escapa, cujo potencial doce ou salino, de ebulição ou congelamento é metáfora de nossa condição social. Intempéries é enfim, um depoimento coletivo que dança e discorre este cotidiano cheio de tempestades, coabitando e investigando as linguagens da cena, existindo na fronteira entre elas e apostando na possibilidades criativas de seu hibridismo.

 

“Intempéries:

Quaisquer condições climáticas que estejam mais intensas; vento forte, chuva torrencial, péssimo ou mau tempo; tempestade. Águas profundas, desconhecidas, liquidez de despropósitos, condições adversas; obscuras.”

o seu próprio conteúdo e trocar fontes. Sou um ótimo lugar para você contar sua história e permitir que seus clientes saibam um pouco mais sobre você. Com: Mumbra Corpo Móvel.

1/3

No Toque

Seduzidos por um som improvisado com variações de timbres, os bailarinos dançam no tempo no toque, que toca a unidade e a individualidade de cada um. Os corpos estão no espaço, num jogo de dinâmicas variáveis, misturam-se matéria e som, tempo e espaço. Com: Free.La.Cia.

1/4

Pó, pelo movimento, memória, força e fragilidade, o que nos pertence como algo que ficou, se inscreveu e, sobretudo, resta em nossos corpos. Que corpo é esse que se faz de sobras, memórias, atravessamentos, bombardeios, silêncios e contornos que se inscrevem, reconfiguram, perduram, restam e, afinal, nos configuram? Com: Mumbra Corpo Móvel.

Cultivando valores. Realizando ideias.

  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - cinza Círculo
  • Facebook - Grey Circle

Rua Tagipuru, 185 - Barra Funda 

São Paulo - 01156-000      

+55 (11) 2369-9377

Rua João Nascimento Costa, 17 - Olaias 

Lisboa - 1900-269 

+351 912 568 940

Rua Bartolomeu de Gusmão, 220. Carianos - Florianópolis  

Santa Catarina - 88047-520 

+55 (11)96065-1030